Histórico

O envolvimento da Universidade Federal do Rio Grande – FURG com a área de Oceanografia tem início em 1971 com a criação do curso de graduação em Oceanologia, o primeiro do gênero no Brasil. Este curso foi reconhecido pelo MEC em 1975, na mesma época em que era criada a Base Oceanográfica Atlântica através de um ambicioso projeto, o PROJETO ATLÂNTICO. A construção da área de laboratórios e aquisição de equipamentos oceanográficos e meios flutuantes (e.g. Navio Oceanográfico "Atlântico Sul" e a Lancha Oceanográfica "Larus"), além de embarcações menores, tiveram financiamento da FINEP. Esta estrutura propiciou que se cumprisse com o objetivo principal deste projeto, que era a promoção do desenvolvimento das Ciências Marinhas na zona estuarina e costeira na região sul do Brasil, na época a de maior potencial pesqueiro em toda a costa brasileira.

Em 1979, a FURG já possuía um corpo docente de alto nível, justificando a criação de um curso de pós-graduação, o mestrado em Oceanografia Biológica. Em 1992, iniciou-se o curso de Doutorado em na mesma área. Desde então, inúmeros pesquisadores das diversas áreas da oceanografia têm complementado e enriquecido o potencial humano da Instituição.

A demanda por cursos de pós-graduação em oceanografia, com ênfase nos processos físicos, químicos e geológicos, foi aumentando consideravelmente na FURG. Para atender esta crescente demanda, foi criado em 1996 o Programa de pós-graduação em Oceanografia Física, Química e Geológica (PPGOFQG). A característica interdisciplinar deste Programa, que iniciou o curso de Mestrado em 1997, favoreceu uma perspectiva de grande aceitação no meio acadêmico e científico.

Em 2001, o conceito CAPES passou para 4 e os indicadores do  PPGOFQG apontaram uma franca evolução. Uma das etapas desta evolução culminou com a recomendação dada em dezembro de 2003 pelo CTC/CAPES, para a criação do curso em nível de Doutorado. Em 2004, inicialmente com conceito 4 da CAPES, o curso de Doutorado foi aprovado pelo Conselho de Ensino Pesquisas e Extensão da FURG.

Em 2008, a FURG passa por uma completa reestruturação, culminando com a criação do Instituto de Oceanografia (IO). Atualmente, o IO é formado por mais de 50 professores atuando nas mais diversas áreas que envolvem esse ramo do conhecimento. Estes recursos humanos desenvolvem atividades de ensino em nível de graduação, de pós-graduação, além de atividades de pesquisa e extensão, que são reconhecidas nacional e internacionalmente.

Em 2010, o PPGOFQG alcança o nível de excelência 5 da CAPES. O curso de Mestrado concluiu 173 dissertações de Mestrado até o primeiro semestre de 2017, enquanto o curso de Doutorado concluiu atualmente 30 Teses de Doutorado até o primeiro semestre de 2017.

O objetivo atual do PPGOFQG é elevar o conceito CAPES para 6.

Vários fatores podem ser citados para justificar a grande procura e reconhecimento pelos cursos de Mestrado e Doutorado em Oceanografia Física, Química e Geológica:

  • a tradição e a excelência da FURG em Ciências do Mar que se renovou  com a criação, em 2008, do Instituto de Oceanografia (IO);
  • a alta capacitação dos docentes;
  • a interdisciplinaridade do Programa, que envolve com ineditismo grandes áreas da oceanografia;
  • a implantação de programas de formação de recursos humanos na área de estudos ambientais aplicados à indústria do petróleo;
  • o pioneirismo das pesquisas em oceanografia Antártica e de altas latitudes, que colocam o PPGOFQG em destaque entre os maiores centros do Brasil;
  • o pioneirismo em estudos de dinâmica costeira e estuarina em escala temporal, que envolvem, entre outros, o estuário da Lagoa dos Patos;
  • preocupação com as linhas de pesquisa mais atuais em termos globais, como estudos em mudanças climáticas;
  • estudos de vanguarda em poluição marinha, costeira, atmosférica e ecotoxicologia,  dentre outras.